terça-feira, 8 de julho de 2014

Foi-se a Copa?

Foi-se a Copa? Não faz mal. 
Adeus chutes e sistemas. 
A gente pode, afinal, 
cuidar de nossos problemas.
Faltou inflação de pontos? 
Perdura a inflação de fato. 
Deixaremos de ser tontos 
se chutarmos no alvo exato.
O povo, noutro torneio, 
havendo tenacidade, 
ganhará, rijo, e de cheio, 
A Copa da Liberdade.

Carlos Drummond de Andrade

domingo, 11 de maio de 2014

Mães


Aquela que ama, 
que cuida, 
que passa horas acordada 
só pra te ver dormir... 
Muitas vezes falam por gestos, 
e com carinhos, 
A que compra um doce 
só pra lhe ver sorrir 
A única em que pode confiar 
e a única que te ama 
De verdade... 
Domina suas vontades e luta 
por seus direitos, 
Sacrifica-se Mãe, 
Teu colo nos afaga 
e nos tira a tristeza, 
teu colo, que nos aquece 
tem um único nome 
Mãe...

Ana Karolina

sábado, 5 de abril de 2014

Canção de Outono

Perdoa-me, folha seca, 
não posso cuidar de ti.
Vim para amar neste mundo, 
e até do amor me perdi.

De que serviu tecer flores
pelas areias do chão, 
se havia gente dormindo 
sobre o própro coração?

E não pude levantá-la!
Choro pelo que não fiz.
E pela minha fraqueza
é que sou triste e infeliz.
Perdoa-me, folha seca!
Meus olhos sem força estão
velando e rogando áqueles 
que não se levantarão...

Tu és a folha de outono 
voante pelo jardim.
Deixo-te a minha saudade
- a melhor parte de mim.
Certa de que tudo é vão.
Que tudo é menos que o vento,
menos que as folhas do chão...

Cecília Meireles

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Soneto de Carnaval

Distante o meu amor, se me afigura 
O amor como um patético tormento 
Pensar nele é morrer de desventura 
Não pensar é matar meu pensamento. 

Seu mais doce desejo se amargura 
Todo o instante perdido é um sofrimento 
Cada beijo lembrado é uma tortura 
Um ciúme do próprio ciumento. 

E vivemos partindo, ela de mim 
E eu dela, enquanto breves vão-se os anos 
Para a grande partida que há no fim 

De toda a vida e todo o amor humanos: 
Mas tranquila ela sabe, e eu sei tranquilo 
Que se um fica o outro parte a redimi-lo. 


Vinícius de Moraes

domingo, 22 de dezembro de 2013

O sentido do Natal

É Natal, as lojas se enfeitam
As pessoas se ajeitam
Tudo para comemorar
O Natal que está para chegar.
É pisca-pisca e sino
Cantigas de Natal, bonito hino
Papai noel, sonho de toda criança
O Natal nos traz esperança.
25 de dezembro e nem todos podem
ganhar presentes.
Milhares de famílias sofrem com seus
filhos ausentes.
O nascimento de Jesus devemos celebrar
E mostrar ao mundo que o importante é amar.
Irlanda Benevides de Souza

terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Algemas

Há muito tempo atrás
Um poeta desapareceu
Com uma poesia realista
Do mundo em que viveu
Viveu na Itália
E nas duas Alemanhas
Foi um eremita
Escrever nas montanhas
Ao voltar ao seu país
Sofrem forte agressão
Arrancaram-lhe os dentes
Cortaram-lhe a mão
Mas o poeta não parou
Não parou de falar
E a vida em que viveu
Continuou a empregar
Resolveram matá-lo
Mas o poeta não fugiu
E depois de pensar
Voltou para o Brasil.
Desta vez o acertaram
E o poeta ficou mudo,
Mas não parou de empregar
A vida real deste mundo
Sem dentes, com uma mão só
Surdo e mudo ao mesmo tempo
Que ao mundo abalou:
Você matam o sonho,
Mas não matam o sonhador.

Geraldo Alverga

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Dia de Ação de Graças

Graças, mil graças!

É tão bom agradecer ao Deus de amor
Pelas estrelas no firmamento em seu fulgor,
Bordando o céu, depois do ocaso,
Desaparecendo ao amanhecer
De um novo dia promissor.

O despertar com o canto do sabiá,
Raios de sol colorindo flores mil,
A passarada muito alegre a cantar,
Sobrevoando o vasto céu de anil.

O orvalho que refresca a noite quente,
A chuva mansa caindo sobre a terra,
Fazendo brotar toda semente,
Enchendo os rios que nascem lá na serra.

Os oceanos que guardam mil segredos,
Seus habitantes, sua diversidade,
Homens valentes, que, vencendo o medo,
Os enfrentam na maior facilidade.

O ar que respiramos, e o vento
Que ajuda o barco em alto mar,
Astros que circundam o firmamento,
Os frutos que a boa terra nos dá.

A energia do nosso corpo, apesar do tempo,
Nos ameaça com os males que advêm.
A restauração das enfermidades que teimam
Trazer-nos sofrimentos, angústias e desdém.

Mas sabemos pela imensa graça:
Recebemos tudo sem nada merecer,
E por mais que o ser humano faça,
Jamais conseguiria agradecer.

Fonte: http://pensamentostextospoesias.blogspot.com.br/2009/11/dia-de-acao-de-gracas.html