quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

Desejo

O que queria estar fazendo agora
Não era essa poesia - não era não.
Queria mesmo era ter você comigo
Falar-lhe mil coisas - apertar a sua mão.

Mas estou sozinha no meu quarto
E as lembranças perturbando a mente
Saudades de um amor tão belo
Que foi tão puro e você já não sente.

Então eu paro e o coração aperta
Imaginando uma maneira de lhe ver
E no momento, só por um segundo
Choro em silêncio, por não ter você.

O seu retrato...quanta segurança
No seu olhar um grande amor se via,
E como uma venda a tapar-me os olhos
Não percebi que você só mentia.

Nos encontramos de um modo diferente
Mas foi Deus que o pôs no meu caminho
Para juntos, caminhar na mesma estrada
E você por maldade, a seguir sozinho.

Muitas vezes como agora me pergunta
Como é que fui me apaixonar assim,
Me entregando por inteiro a esse amor
Oferecendo o que existia em mim.

Como se a vida fosse feita só de sonhos,
Deixei levar-me por uma loucura
E hoje em meio a tanto sofrimento
Aflige-me o mal, que já não tem cura.

Quem sabe um dia talvez, você perceba
Que o mesmo pode vir lhe acontecer.
Então conheça o mal que a mim foi feito
E já não haja remédio pra você.

Gilzeline Ayres Silva

segunda-feira, 19 de janeiro de 2015

Eu sem você

Eu sem você? Dias sem sol, frio sem calor.
Despedida sem lagrimas, A vida sem amor.
Eu sem você? Vitória sem dor
A razão sem sentido, O gosto sem sabor.
Eu sem você? o riso sem graça o céu sem vida
Meu mundo sem cor.
Eu sem você? Alma sem coração, 
Espera sem chegada.
Meus olhos sem visão.
Eu sem você? Meu sim sem o não, 
Solidão sem saudade.
Meu caminho sem direção.
Assim? Sou eu...
Sem você....

Newtton Souza

Fonte: http://pensador.uol.com.br/calor/3/

terça-feira, 30 de dezembro de 2014

Receita de Ano Novo

Para você ganhar belíssimo Ano Novo 
cor do arco-íris, ou da cor da sua paz, 
Ano Novo sem comparação com todo o tempo já vivido 
(mal vivido talvez ou sem sentido) 
para você ganhar um ano 
não apenas pintado de novo, remendado às carreiras, 
mas novo nas sementinhas do vir-a-ser; 
novo 
até no coração das coisas menos percebidas 
(a começar pelo seu interior) 
novo, espontâneo, que de tão perfeito nem se nota, 
mas com ele se come, se passeia, 
se ama, se compreende, se trabalha, 
você não precisa beber champanha ou qualquer outra birita, 
não precisa expedir nem receber mensagens 
(planta recebe mensagens? 
passa telegramas?) 

Não precisa 
fazer lista de boas intenções 
para arquivá-las na gaveta. 
Não precisa chorar arrependido 
pelas besteiras consumadas 
nem parvamente acreditar 
que por decreto de esperança 
a partir de janeiro as coisas mudem 
e seja tudo claridade, recompensa, 
justiça entre os homens e as nações, 
liberdade com cheiro e gosto de pão matinal, 
direitos respeitados, começando 
pelo direito augusto de viver. 

Para ganhar um Ano Novo 
que mereça este nome, 
você, meu caro, tem de merecê-lo, 
tem de fazê-lo novo, eu sei que não é fácil, 
mas tente, experimente, consciente. 
É dentro de você que o Ano Novo 
cochila e espera desde sempre.

Carlos Drummond de Andrade


Fonte: http://pensador.uol.com.br/frase/MTM0MDQ5/

rumm.html#receita

quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Epidemia da violência


Menores infratores roubando por dinheiro
Serial killers matando sem motivo
Homens possessivos agredindo mulheres
Sempre incentivados por coisas fúteis
Acreditam que podem fazer o que quiseres
É a dor que machuca um país inteiro
É a dura realidade que parece castigo
Uma ferida difícil de cicatrizar
Por que é tão difícil encontrar uma solução?
Nem a polícia ou a justiça chegam a uma conclusão
A insegurança toma conta da sociedade
Então, perdidos vamos estar
Já que a violência contaminou a cidade
Como uma epidemia que se espalhou numa nação.

terça-feira, 9 de dezembro de 2014

A Morte Não É Nada

A morte não é nada. 
Eu somente passei 
para o outro lado do Caminho.

Eu sou eu, vocês são vocês.
O que eu era para vocês, 
eu continuarei sendo.

Me dêem o nome 
que vocês sempre me deram, 
falem comigo 
como vocês sempre fizeram.

Vocês continuam vivendo 
no mundo das criaturas, 
eu estou vivendo 
no mundo do Criador.

Não utilizem um tom solene 
ou triste, continuem a rir 
daquilo que nos fazia rir juntos.

Rezem, sorriam, pensem em mim.
Rezem por mim.

Que meu nome seja pronunciado
como sempre foi, 
sem ênfase de nenhum tipo.
Sem nenhum traço de sombra
ou tristeza.

A vida significa tudo 
o que ela sempre significou, 
o fio não foi cortado.
Porque eu estaria fora 
de seus pensamentos,
agora que estou apenas fora 
de suas vistas?

Eu não estou longe, 
apenas estou 
do outro lado do Caminho...

Você que aí ficou, siga em frente,
a vida continua, linda e bela
como sempre foi.

Santo Agostinho

Dedico essa poesia ao cantor e compositor Mango, que faleceu na noite do último domingo (07/12/14), vítima de um ataque cardíaco aos 60 anos. Eu adorava ouvir as músicas dele, que tinha uma sensibilidade musical apurada e uma voz belíssima. Deixo com vocês o álbum Disincanto (2002) inteiro disponibilizado no Youtube, um dos mais bonitos trabalhos de sua carreira.